Tradição

Grupo: Acesso B
Fundação: 01 10 1984
Cores: Azul Turquesa e Royal, Branco, Ouro e Prata
Presidente: Nésio Nascimento
Carnavalesco: Orlando Junior
Interprete: Igor Viana
Mestre de bateria: Adilson Teixeira Junior (Mestre Dacopê)
Diretor de harmonia: Nei Nascimento
Mestre sala: Fabricio
Porta bandeira: Danielle
Endereco: Est, Intendente Magalhães 160 - Campinho
Telefone: 21-3287-1533
Telefone: 21-3833-4700
História

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Tradição nasceu em 1984, depois de um desentendimento na Portela. Sete alas da Portela foram eliminadas da escola pelo então presidente Carlinhos Maracanã e alguns membros da diretoria e outras figuras importantes, como Nézio Nascimento, filho de Natal, um dos presidentes da Portela, se uniram para formar a nova agremiação. Além de Nézio, Léa, Odiléa, Tureca, Mazinho, João Nogueira, Vilma Nascimento e Paulo César Pinheiro também foram fundadores. 

De início, porém, a escola não teve o nome que tem hoje. Foi chamada de Sociedade Cultural e Recreativa Portela Tradição. Mas devido a vários contratempos e processos na Justiça (com a proibição do uso do nome Portela), o nome foi mudado para S.C.R. Amor e Tradição e, finalmente, após uma reunião histórica, para G.R.E.S. Tradição.

Nézio procurou então Maria Augusta e a convidou para assumir o departamento de carnaval. Ela sugeriu que se reunisse um grupo de artistas plásticos (inclusive a própria) para fazerem o carnaval da escola, o que ocorreu. Os carnavalescos escolhidos, e, que participaram em conjunto até 1988, foram Rosa Magalhães, Lícia Lacerda, Paulino Espírito Santo, Edmundo Braga, Viriato Ferreira e Maria Augusta, tendo como assistente o mineiro João Rozendo. Este foi o responsável pelo carnaval de 1989.

Nézio Nascimento convidou vários compositores famosos para a composição do samba-enredo da escola, mas os únicos que aceitaram foram Paulo César Pinheiro e João Nogueira que, em 1984, tinham um samba já gravado chamado "Xingu", que acabou sendo o tema do enredo. A escola ficou sem ala de compositores até o carnaval de 1989. Durante esse tempo, os dois compositores ficaram responsáveis pelas produções musicais da escola. A ala de compositores foi criada em 1990.

Apesar de estar há pouco tempo na estrada do samba, a Tradição teve uma trajetória rápida: foi campeã por três anos consecutivos nos desfiles secundários, passando do quarto para o primeiro grupo - atualmente Grupo Especial - em tempo recorde. Em seus 20 anos de história, a Tradição vivenciou bons e maus momentos: chegou a desfilar no Sábado das Campeãs, no carnaval de 1994, mas também sofreu rebaixamentos em outras ocasiões (nos anos de 1989, 1992, 1996, 2005 e 2007).

A escola tinha muitas dificuldades para se manter no Grupo Especial, onde permaneceu de 1998 a 2005. Fora a oitava colocação de 2001 com um belo desfile sobre o apresentador Sílvio Santos, a escola vinha adquirindo posições medíocres, como duas penúltimas colocações em 2002 e 2003 e uma modesta 12ª colocação entre 14 escolas em 1999, 2000 e 2004, quando reeditou o enredo "Contos de Areia", da Portela de 1984. Tanto que, com essa reedição, cogitou-se até uma fusão entre Tradição e Portela já a partir de 2005. Mas a volta da Tradição às suas raízes portelenses é constantemente negada por Nézio Nascimento. Rebaixada em 2005, a Tradição desfilou no Acesso A em 2006 reeditando, mais uma vez, um enredo de uma outra escola. Dessa vez, o tema escolhido foi "Bahia de Todos os Deuses", utilizado pelo Salgueiro em 1969. Terminou na quarta colocação.

A escola de Campinho resolveu apelar para mais uma reedição no desfile de 2007. Dessa vez, apelou para um tema próprio, que proporcionou à Tradição o seu melhor desfile na história: "Passarinho, Passarola, Quero Ver Voar" de 1994. Porém, por problemas financeiros e administrativos, a escola só começou a sua preparação para o desfile a poucos dias do carnaval. Resultado: a Tradição terminou em penúltimo lugar, amargando mais um rebaixamento apenas dois anos depois da queda no Especial. Até hoje a escola permanece no Grupo B. Em 2010, reeditou o samba-enredo de 1986 "Rei Senhor, Rei Zumbi, Rei Nagô".

Ano do enredo: 2013
Título do enredo: Das maravilhas do mar fez-se o esplendor de uma noite
Ano: 2013
Título do samba enredo: Das maravilhas do mar fez-se o esplendor de uma noite
Compositores do samba enredo: David Corrêa e Jorge Macedo
Letra:



(reedição - Portela - 1981)

Deixa-me encantar
Com tudo teu
E revelar, lá lá rá
O que vai acontecer
Nesta noite de esplendor
O mar subiu na linha do horizonte
Desaguando como fonte
Ao vento a ilusão teceu
O mar (oi, o mar)
Por onde andei mareou (mareou)
Rolou na dança das ondas
No verso do cantador

Dança quem tá na roda
Roda de brincar
Prosa na boca do vento
E vem marear

Eis o cortejo irreal
Com as maravilhas do mar
Fazendo o meu carnaval
É a vida a brincar
A luz raiou pra clarear a poesia
Num sentimento que desperta na folia (amor, amor)
Amor sorria, ô ô ô
Um novo dia despertou

E lá vou eu
Pela imensidão do mar
Essa onda que borda a avenida de espuma
Me arrasta a sambar

Notícias
 
Mais resultados para busca por: Tradição
0
SOSAMBA.COM.BR | COPYRIGHT © 2010 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS